Como libertar-se de bloqueios emocionais e Medos


Libertar de Bloqueios Emocionais e Medos

 

Vive numa caixa que cuidadosamente construiu para se proteger.

Eu também.

Todos nós o fazemos.

Literalmente, projectou todos os detalhes da sua vida para se proteger a si mesmo de medos e conflitos internos que não está disposto(a) a enfrentar.

Neste livro, The Untethered Soul, o autor Michael Singer fala da analogia de uma pessoa que vive com um espinho no braço. Acontece que este espinho está localizado directamente sob um nervo. Como consequência, o mais pequeno toque no espinho provoca uma dor electrizante em todo o corpo dessa pessoa.

De modo a esta pessoa viver a sua vida sem dores, ela tem de se certificar que nada toca no espinho do seu braço. Nem sequer dormir na sua cama é possível – se por descuido ao virar-se enquanto dorme o espinho é tocado. Por isso essa pessoa criou um dispositivo para dormir lá dentro e proteger de qualquer toque no espinho.

Problema resolvido.

Não pode também praticar desportos ou ter algum tipo de contacto físico com outras pessoas. Portanto, desenhou uma almofada que protege o braço de contactos. Não é muito confortável de usar, mas protege o espinho.

Problema resolvido.

Esta pessoa aprendeu assim a gerir todas as áreas da sua vida de modo a que nada toque no espinho. Tanto no trabalho como na criação dos seus relacionamentos. Ela controla bastante o seu ambiente externo de modo a libertar-se dos problemas criados pelo seu espinho.

Mas será mesmo assim?

Na realidade, tudo o que esta pessoa fez foi mascarar o problema. Ao fazê-lo, esta pessoa construiu toda a sua vida em torno deste problema.

A sua outra opção – de longe menos dolorosa e complicada – é simplesmente remover o espinho.

De modo semelhante, o que você tem são “espinhos” internos que criou durante toda a sua vida.

Enterrou os seus traumas de infância, os seus medos, e a sua insegurança emocional. Sempre que algo “toca” nesses espinhos internos – em vez de os deixar vir à superfície, vivê-los e deixá-los ir embora – enterra-os ainda mais por querer libertar-se da dor o mais depressa possível.

Como disse Tony Robbins, “Irá sempre obter da vida exactamente o que pode tolerar.

Aprendeu a tolerar a vida com os seus medos e os seus conflitos internos. Como resultado, acomodou-se a uma vida muito abaixo do seu potencial.

Todos nós o fazemos.

A Evolução do Medo

O ser humano tem enraizada uma reacção de luta ou fuga a uma ameaça. Na maior parte da história humana, fomos expostos constantemente a ameaças físicas. No entanto, agora que o nosso ambiente físico é bastante seguro, as ameaças moveram-se do exterior para o interior.

Agora, em vez de se preocupar em ser morto(a) por um tigre, preocupa-se com a sua motivação própria. Preocupa-se com aquilo que as pessoas pensam de si. Preocupa-se em não ser bom ou boa o suficiente. Preocupa-se em não ofender as outras pessoas. Preocupa-se com os seus falhanços.

Quando o seu corpo é saudável, não pensa muito acerca do mesmo. Simplesmente funciona como deve de ser. Mas enquanto acordado passa imensas horas preocupado com o seu bem estar emocional, sempre a tentar certificar-se de que sente-se bem. O que é que isso diz acerca da sua saúde emocional?

Emoções saudáveis reflectem um corpo saudável – não tem de pensar muito acerca dessas emoções. Quando surge um problema, em vez de o enterrar ainda mais, enfrente-o, ultrapasse-o e deixe-o ir, de modo a que não o(a) atormente no futuro.

Mas não é assim que a maior parte das pessoas lidam com problema emocionais. Em vez de os resolver, constroem as mais bizarras relações e vivem a protegerem-se de enfrentarem os seus medos ou traumas.

Você não é os seus medos

O primeiro passo para viver uma vida de liberdade é perceber que você não é os seus medos. Você experiência os seus medos. De modo semelhante você não é os seus pensamentos. Está consciente dos seus pensamentos. Não é sequer o seu corpo, é o ser que vive dentro do seu corpo, que o experiência e que o movimenta.

Você é o que importa – os seus pensamentos, sentimentos, e experiências físicas são objectos.

Esta é a razão do porquê de a maioria das pessoas construírem as suas vidas em torno dos seus medos. Elas agarram-se a um conceito concebido por elas próprias. Elas criaram uma caixa à volta delas mesmas – “personalidade” – para definir quem são e como actuam.

A verdade é muito mais simples: você é quem experiência os seus pensamentos, sentimentos, e sensações físicas.

É o(a) observador(a) do mundo interno e externo ao seu redor.. É quem determina onde coloca a sua consciência, o que os psicólogos denominam “atenção selectiva

Você toma atenção a pensamentos, sentimentos, e coisas que têm importância para si. Onde quer que se foca, expande-se. A sua consciência das coisas torna-as reais para si.

Quando experiência algo associado com medo ou distúrbio emocional – um espinho interno – a sua atenção imediatamente muda seja do que estiver a fazer. Em vez de estar a ver um filme, torna-se perdido(a) em pensamentos e memórias.

É aqui que dá um passo consciente para trás.

.Você não é os pensamentos ou os sentimentos que está a experimentar. Pelo facto que estas emoções estão a levantar-se é um sinal de possui um conflito interno não resolvido.

Em vez de enterrar ainda mais essas emoções, veja-as pelo que elas são: Sentimentos. E esses sentimentos não são quem é. São uma experiência já vivida. Deixe esses sentimentos libertarem-se, não se esconda deles, não se distraia deles.

Observe e experimente-os na totalidade. Perdoe a si mesmo ou ao evento. Aprenda com eles. Será algo desconfortável. Por norma enterra estes sentimentos porque são desagradáveis e dolorosos.

Sinta a experiência desses sentimentos e liberte-se deles.

Remova esse espinho para fora.

A outra opção é perpetuar e agravar o problema.

Viver uma vida sem medos

A maioria das pessoas vive na Matrix um estado onde vivem completamente absorvidos nos pensamentos e sentimentos. A Matrix é uma caixa onde que você construiu à volta de si mesmo para evitar a realidade. Saía da sua cabeça – por analogia.

Tim Grover disse no seu livro, Relentless, “Não pense. Já sabe o que tem a fazer, e sabe como o fazer. O que o está a prender?

A única maneira de sair da Matrix é confrontar a realidade. E só pode fazer isto ao expor-se a si mesmo(a) directamente os seus medos e aos seus problemas emocionais. Até fazer isso, está a viver uma ilusão. A fazer isso, está a construir uma pseudo-vida para se proteger a si mesmo de si mesmo.

A espiritualidade começa fora da sua zona de conforto. A essência da vida – de se estar realmente vivo – é expor-se directamente aos seus medos. Como disse Jack Canfield, “Tudo o que quer está no lado oposto do medo.”

Do que tem medo?

Do que se tem estado a esconder?

Que experiências tem estado a evitar?

Que conversas tem estado a evitar?

De que pessoas se anda a proteger?

Como seria a sua vida se confrontasse os seus medos, e os ultrapassa-se? Como seriam as suas relações? Como seria a sua vida profissional?

Quando enfrenta os seus medos, eles desaparecem.

Portanto, tem somente duas opções:

  1. Construir toda a sua vida em torno dos seus medos, como a maioria das pessoas.
  2. Construir a vida que quer, imediatamente expondo-se a si mesmo(a) a todos os seus medos.

Como disse Eleanor Roosevelt, “Ganharás força, coragem e confiança por todas as experiências nas quais realmente paraste para olhar o medo na cara. Poderás fizer a ti próprio(a), ‘Eu vivi com este horror. Eu posso lidar com a próxima coisa que virá.’ Tens que fazer a coisa que pensavas que não eras capaz.”

Superar-se a si mesmo(a)

A maioria das pessoas vive uma vida de medo porque a sua principal preocupação sãos os seus próprios sentimentos. A maioria das pessoas perseguem relações e carreiras que acreditam as que fará felizes.

Mas não pode directamente alcançar a felicidade.

A felicidade apenas pode ser conseguida com o efeito colateral involuntário de perseguir uma causa maior do que si mesmo(a). Um propósito supera sempre a paixão.

Quando o seu porquê é forte o suficiente, estará disposto(a) a fazer o que for preciso. Precisa de uma causa que realmente acredita. Estará então motivado, de modo figurativo, a atirar-se – ou aos seus sentimentos – para baixo do autocarro.

Não é acerca de si. É acerca da causa. É acerca do seu propósito, que é bastante superior a si.

Quando ama alguém, está disposto(a) a levar com uma bala por essa pessoa. Está disposto(a) a morrer por quem ama. De igual modo, estará disposto(a) a verdadeiramente viver por quem ama. Todos os dias, não importa o quão difícil possa parecer. Para si, não será difícil, porque simplesmente sente-se agradecido(a) pela oportunidade.

Não tem que ter uma “caixa”. Deixe o seu imaginado conceito próprio. Quem é realmente não pode ser definido. Esqueça o que pensa quem é. Em vez disso, siga os seus medos para qualquer lado que eles o(a) levarem. Eles indicam-lhe o caminho. Exponha-se a si mesmo(a).

Seja quem deseja ser, e não o que os seus medos o(a) definem. Viva com um propósito maior que si mesmo, algo que acredite verdadeiramente.

 

Artigo original por Benjamin Hardy

 

Se precisa de apoio especializado em Coaching ou Psicologia, contacte a Clínica Corpo e Mente.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *